sábado, 20 de dezembro de 2014

[Resenha 11] Teardrop (Lágrima) - Lauren Kate (Teardrop #01)

*** Ludibriada pela linda capa... ***



Sinopse: Depois de perder a mãe em um acidente no mar, Eureka acha que nunca mais voltará a sorrir. E a promessa que fez à mãe – a de nunca mais chorar – se torna quase impossível… até conhecer Ander. Louro, alto e de pele muito branca, o rapaz parece estar em todos os lugares e saber coisas que não deveria sobre Eureka. Inclusive um estranho segredo relacionado às suas lágrimas e aos três artefatos que herdou da mãe: uma carta, uma pedra e um misterioso livro que conta a história de uma menina com o coração partido. Ela chorou tanto que deixou debaixo d´água um continente inteiro. Logo Eureka vai descobrir que a antiga lenda é mais que uma história, que Ander pode estar dizendo a verdade e que sua vida pode ter um curso mais sombrio do que ela imaginou.


Opinião:  Então... É assim. Para quem já leu a série "Fallen", da mesma autora, há muitas coincidências. Ander, o mocinho, é loiro, alto, misterioso, de poucas palavras e protetor, como Daniel. Brooks, o outro rapaz da história, fechando o triângulo amoroso, é bem similar a Cam, moreno e de de atitudes suspeitas, porém cativante. Eureka, a mocinha, tem probleeeeemas, é morena e tem problemas com seus cabelos (parece que para a autora Lauren Kate, adolescentes com depressão e em cuja vida aconteceu várias tragédias, fazem misérias com seus cabelos) como Luce. 

Assim como em "Fallen", o livro é muito misterioso desde o início e só entendemos o que é o pano de fundo de tudo bem mais para o final, então, se você não se importa com isso, vá em frente! Eu, por outro lado, me incomodo com livros que deixam para resolver sua problemática (ou contar qual é a "treta") só lá pro fim. 

O livro começa com um capítulo confuso sobre a morte da mãe de Eureka quando o carro em que elas estão "cai" de uma ponte levado por uma onda, e um papo sobre "Semeadores" que são o grupo de pessoas que está tentando matá-las, não se sabe porque. Aí, temos uma parte bem clichê, pois Ander, o mocinho, observa tudo de longe, e cabe a ele a dura decisão de "salvar o mundo ou salvar a garota". Adivinha o que ele faz? 

O próximo capítulo é de Eureka, após a morte da mãe, na terapeuta e eu achei bem chatinho, mas depois dele tudo melhora. Gostei muito da relação da Eureka com seus meio-irmãos pequenos, pareceu sincera. A história toda é contada por um narrador onipresente e isso foi muito interessante, pois há tempos não lia livros com esse estilo de escrita.  

O mais interessante desse livro é que não é sobre todas aquelas mitologias a que estamos acostumadas: vampiros, lobisomens, bruxas ou anjos e demônios. É sobre um tipo diferente de "ser" e mundo, e eu nunca vi nenhum livro de fantasia tratando sobre essa lenda. Eu pensava se tratar sobre sereias e já aviso que não aparece nenhuma até o fim da história. Assim como em "Asas" (livro sobre fadas de Aprilynne Pike) Teardrop apenas pincela a parte mágica da coisa e fica prometendo toda a ação para o seu segundo volume, "Waterfall" e vai que no segundo volume as tais sereias aparecem, mas não sei não... 

Não vou contar que história que há por trás, qual é a parte mágica dessa série (que eu ainda não sei quantos livros terá). Só direi que foi o esperar para descobrir por mim mesma durante a leitura, que me deixou mais animada a prosseguir com a leitura. Novamente comparando com "Fallen", durante o primeiro livro também não sabemos descaradamente que a trama é de anjos, não é? 

Recomendaria? Sim, se você gosta de fantasia e ficou afim de descobrir qual é essa nova "lenda" a ser mostrada (apesar de muito pouco) aqui. 
Não recomendo se você não gostou de Fallen. As chances de não gostar desse é grande também. 

Releria? Provavelmente não, mas estou cogitando dar uma chance a "Waterfall".

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Resumão das leituras do ano de 2014 (até fim de novembro)

* Melhores livros que li em 2014:

- Blackout - Jennifer LaBreque (romance de banca)
- Até eu te encontrar - Graciela Mayrink
- Todo Dia - David Levithan
- Perdida - Carina Rissi
- Estudos sobre Veneno - Maria V Snyder
- Amante da Fantasia - Sherrilyn Kenyon
- As violetas de março - Sarah Jio 
- Playboy Irresistível - Christina Lauren


* Piores livros que li (inteiro) em 2014:

- Paixão sem limites - Abbi Glines 
Este eu não resenhei aqui. Ele não é ruim. Eu terminei e até rapidinho, porque ele é curto, mas achei bem sem graça. O fim chega a ser previsível. Eu não gosto de mocinhas virgens, e mesmo a Blaire sendo bem batalhadora e tal ela foi bem boba em vários momentos.
- Hex Hall - Rachel Hawkins
Resenhei aqui no blog. Acho que ele tinha potencial pra ser uma coisa bem legal, mas foi superficial e ficou a desejar muito.

*Séries que merecem destaque:

- Série "A Seleção" de Kiera Cass (4 livros até agora, 5 será publicado)
Reli os 2 primeiros, e nesse ano li o de contos e depois o último da trilogia. Gostei muito da série. Eu o descreveria rapidamente como um Jogos Vorazes com Vestidos de Baile. Os personagens são bons, a trama é legal. O "A Escolhida" não entrou na lista de melhores do ano porque foi muito "vomitado", ficou enrolando por um tempo e resolvei tudo meio "nas coxas" nas ultimas paginas. Mesmo assim gostei bastante de toda a série =) 

- Série "Irresistível" de Christina Lauren (6 livros, terminada)
Gostei muito da série. Li ela inteirinha no meu KOBO e inclusive reli o meu preferido "Playboy Irresistível". Gostei dos romances principais. São 3 romances e 3 intermediários, novelas, como chamam. Os romances são bons, bem diferentes um do outro, e interligados como a série que eu amo da Bella Andre e os seus Sullivans. Tem aquela vantagem que os livros "terminam em si mesmo" mas continuamos sabendo dos personagens nos outros livros, pois aparecem como coadjuvantes. Eu gosto muito disso.

- Série "Os Sullivan" de Bella Andre (8 livros, terminada)
Já resenhei aqui o ultimo livro que li dessa série, e falei muito bem de toda série (o post anterior). Adoro essa autora e esses personagens são muito cativantes e calientes, sem sem de mau-gosto. São livros "mulherzinha", sim, mas mesmo assim é muito boa nisso que faz. Uma série relacionada começou a ser publicada: estes oito livros são os irmãos sullivan filhos de Mary, mas eles tem primos e já foi publicado o primeiro livro destes primos e um ebook sobre eles. Serão 6 romances.


****

Por enquanto é isso pessoal =D
O ano ainda não acabou e vem mais resenhas por aí!

sábado, 8 de novembro de 2014

[Resenha 10] Em meus pensamentos - Bella Andre (Os Irmãos Sullivan #08)


Série "Os Sullivan"
1. Um Olhar de Amor (Chase Sullivan)
2. Por um momento apenas (Marcus Sullivan)
3. Não posso me apaixonar (Gabe Sullivan)
4. Só tenho olhos para você (Sophie  Sullivan)
5. Se você fosse minha (Zach Sullivan)
6. Quero ser seu (Ryan Sullivan)
7. Perto de Você (Smith Sullivan)
8. Em meus pensamentos (Lori Sullivan)




Opinião:
Um fotógrafo, um dono de vinhedo, um bombeiro, um jogador de beisebol, um mecânico e piloto de corridas, um astro de cinema. Um par de gêmeas: uma "boazinha" e bibliotecária, e uma "mazinha" e bailarina. Estes são os Sullivans, 8 filhos de Mary Sullivan, enviuvada precocemente que fez um ótimo trabalho criando seus filhos.

O que eu mais gosto dos livros desta série é que eles podem não ser lidos como uma série. Se alguém se interessar somente pela história de Smith Sullivan, astro de cinema que se apaixona pela agente de sua colega de cena, ou apenas pela história de Gabe Sullivan, um bombeiro que se envolve com a mulher e a menina que salva de um incêndio, dá para ler apenas um livro e ter uma história ótima.

MAS... Se você ler todos eles, juro que não deve se arrepender. São histórias construídas de modo a se completarem, sendo que o livro número dois começa com Marcus Sullivan indo para a festa de noivado de Chase, o protagonista Sullivan do livro um, e por aí vai. Todos Sullivans vão aparecendo nos livros dos outros e vamos acompanhando o que aconteceu na família toda nos 8 livros.

Por esse e outros motivos que foi uma experiência interessante ler o oitavo livro, sobre a ultima Sullivan solteira. Daria um ótimo filme com várias cenas engraçadíssimas. A história tem um quê de Cinderela e sua trama lembra muito a de A Bela e a Fera, com um cara se fazendo de mau, mas com um coração enorme e totalmente sexy, e a bela bailarina Lori Sullivan que vai parar numa fazenda trabalhando com porcos depois de ter desistido de dançar, a coisa que mais amava fazer.

 O meu livro preferido (que já li duas vezes) de todos os Sullivans é "Só tenho olhos para você", o livro quatro. Eu gosto de todos os outros também, mas eu também gosto do "Se você fosse minha", o livro cinco, que tem um casal muito e legal e seus respectivos e fofíssimos cachorros! Não vou contar mais sobre esses livros. Eu vou MANDAR você dar uma chance para o primeiro livro, para se apaixonar por eles, mesmo que o primeiro não seja o melhor deles.


Recomendaria:
Já mandei você ler o primeiro, não mandei???? HEIN??
Você tá fazendo o que aqui ainda???

Se você gosta de romances estilo comédia romântica, eu recomendo.
Se você gosta de séries, eu recomendo.
Se você NÃO gosta de séries, eu recomendo.
Se você gosta de mocinhos cavalheiros que fazem a gente delirar, eu recomendo.

Releria:
Sim, claro! Tenho todos os livros organizadinhos na minha estante junto aos meus outros preferidos exatamente para isso, né?!

terça-feira, 28 de outubro de 2014

[Resenha 09] Desastre Iminente - Jamie McGuire (Belo Desastre #02)


Desastre Iminente - Jamie McGuire
Editora Verus, 405 pag.
(História de "Belo Desastre", só que contada por Travis Maddox)

Sinopse: "Travis perdeu a mãe muito cedo, mas, antes de morrer, ela lhe ensinou duas regras de vida - ame muito, lute mais ainda. Tendo crescido em uma família de homens que gostam de jogos e lutas, Travis Maddox é um cara durão. Musculoso e tatuado, bad boy até o último fio de cabelo, ele leva uma mulher diferente para casa a cada noite. Até conhecer Abby Abernathy. Determinada a se manter longe de problemas, Abby resiste com todas as forças ao charme de Travis, sem saber que assim só o deixa mais determinado a conquistá-la. Será que o invencível Travis 'Cachorro Louco' Maddox vai ser derrotado por uma garota?"


Série Beautiful (até agora):



1. Belo Desastre (Beautiful Disaster): narrado por Abby
2. Desastre Iminente (Walking Disaster): narrado por Travis
2,5. Belo Casamento (Beautiful Wedding): Abby & Travis
3. Bela Distração (Beautiful Oblivion): Trenton Maddox (lançamento em novembro de 2014).


Opinião:
Esse livro é a mesma história de "Belo Desastre" só que dessa vez é contada pelo "mocinho badboy" Travis Maddox ao invés da "mocinha misteriosa" Abby Abernathy. 

Abby e Travis são universitários americanos de aproximadamente 20 anos. Eles se conhecem porque a melhor amiga dela e o primo dele são namorados. Travis fica embasbacado por Abby e seus mistérios e ela por ele quando se conhecem e um sentimento de posse toma conta dele. Abby luta contra revelar seu passado para essa cidade nova e esse garoto gato novo, pois se mudou para escapar dele. Tanto em "Belo Desastre" quanto neste livro ficamos sabendo bastante desse tal passado de Abby apenas passando um pouco da metade da história. É aí que toda história muda e nos leva para uma cidade nova e com novas aventuras dos nossos quatro personagens principais, mas não deixa de ser legal e empolgante.

Ah, antes de começara dar mais de minha opinião: para quem não conhece os livros e ficou afim de conhecer, explico. A "série" é do estilo chamado de Young Adult. Há romance e se toca no assunto sexo, tendo poucas cenas e pouco descritivas de ação sexual. Não é um livro erótico. Outros livros desse estilo são os da série Slammed de "Métrica" (com resenha aqui) e as trilogias de "Entre o Agora e o Nunca" e de "O segredo de Ella e Micha", por exemplo.

Eu gostei bastante da narrativa de Travis, em alguns momentos bem mais que a da Abby. Ele não parece tão louco e possessivo quanto antes. Bem, na verdade até parece, mas ele se explica. Ficamos sabendo e entendendo o porquê de todo o comportamento pirado dele. 

O que me chamou atenção, e que eu não gostei, foi que faz um tempo que eu li o "Belo Desastre' e não me lembro de algumas coisas. No livro "Desastre Iminente" Travis não conta, ele simplesmente pula algumas coisas. Acho que foi uma artimanha da autora pra poder encompridar a história sem que ela fique muito longa. Por exemplo, a autora simplesmente faz Travis pular alguns acontecimentos que Abby descreveu e que são importantes pra história. Mesmo assim, não fiquei de "mimimi" por causa disso e ainda que não lembrasse exatamente os detalhes, consegui acompanhar o livro do Travis super bem.

Quanto ao final (epílogo). Não, não se preocupe, não vou contá-lo. Essa parte não aparece em "Belo Desastre", só nesse. Eu vou dizer só que há um belo pulo no tempo e eu não sei se gostei do que o futuro do futuro prevê para Abby e Travis.  

Recomendaria?
Sim, para quem gostou da primeira versão da história e se apaixonou por Travis. Não recomendaria que fosse lido antes de "Belo Desastre". Não fica faltaaaaando nada de importante, mas recomendo mesmo ler a versão de Abby antes.

Releria?
Sim, porque gostei, mas não acho que vou. Vou adiante na série e em breve trarei a resenha de "Belo Casamento" por aqui =D

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

[Resenha 08] Hex Hall - Rachel Hawkins (Hex Hall #01)

*** Leitura passatempo bacana, mas com vários problemas... ***


Sinopse:

"Há 3 anos, Sophie descobriu que não é uma menina como as outras. Ela é uma bruxa e, até agora, isso só lhe trouxe alguns... arranhões! Sua mãe fez tudo o que pôde para ajudar: leu o que conseguiu encontrar sobre bruxas, fadas e magia; procurando consultar o pai ausente de Sophie — um poderoso feiticeiro europeu — só quando necessário. Até que a menina atrai atenção além da conta depois de um feitiço de amor poderoso demais... E é seu pai que define a sentença: Sophie deve ir para Hex Hall, um reformatório afastado de tudo e de todos que está sempre de portas abertas para receber qualquer “prodígio” que saia da linha — ou seja, além de bruxas como Sophie, fadas, metamorfos etc. E a tendência de Sophie para encrencas não decepciona. Já no fim do primeiro dia, ela acumula problemas: três poderosas inimigas que mais parecem supermodelos, uma fantasma que cisma em persegui-la, uma paixonite idiota pelo feiticeiro mais charmoso da escola — e ele tem namorada, mas como Sophie poderia saber? Para piorar, sua companheira de quarto é a pessoa mais odiada do campus, e a única vampira entre os alunos... Sim, os sanguessugas não têm boa fama, e uma série de ataques a estudantes acaba fazendo da única amiga de Sophie a suspeita número um na mira do Conselho e da direção da escola. Isso não é tudo, e Sophie precisa se preparar. Uma antiga sociedade secreta determinada a destruir todos os prodígios, inclusive e principalmente ela, parece estar mais próxima do que nunca de Hex Hall. Sophie terá de descobrir, do que sua magia é capaz e, sobretudo, suas origens e quem ela é de verdade."


Trilogia Hex Hall:

1. Hex Hall (2010)
2. Demonglass (2011)
3. Spellbound (2012)

Opinião:
Não precisarei resumir o enredo já que a sinopse o fez direitinho até demais, então, mãos a obra! Não queria começar assim, mas sinto muito... O problema desse livro é que ele é igual a tudo que eu já li antes! 

Tem elementos da série Harry Potter, série Academia de Vampiros, trilogia Divergente, série Beautiful Creatures, série Feios. Até a ideia de haver fadas, bruxas, lobisomens e vampiros na mesma escola já foi apresentada pela série do Acampamento Shadowfalls, que eu ainda não li. Achei que Hex Hall podia explorar essa mistura de seres fantásticos e não fazendo isso, perdeu uma grande oportunidade. Ao que eu percebi, podia ser uma escola só para bruxas que não faria muita diferença.

Achei a leitura bacana e consegui terminá-la. A protagonista e os personagens são cativantes, gostei da Sophie e o livro teve umas surpresas na relação da Sophie com a Elodie (a líder do grupinho das "vilãs") e com Archer. Esses foram os pontos que eu gostei. Só.

Ah, falando em Archer, ele é o mocinho, mas não me convenceu. A única coisa que não rolou nesse livro (e não foi bom ter ficado de fora): o triângulo amoroso. É tremendamente clichê, mas falando-se de um livro cheio deles, me espantou que esse detalhe ficou de fora. Se bem que pensando melhor, até houve um triângulo, mas Sophie não era o centro dele. Archer era. Ainda assim, faltou romance nele. 

Lembrei bastante do livro "Harry Potter e a Ordem da Fênix" (o meu menos preferido da série HP) que teve um problema similar a este: a trama ficou sem graça, enrolando e apresentando coisas que não havia necessidade. Quando chegou ao final, resolveu tudo de um jeito "vomitado", super rápido, com mil explicações em poucas páginas, deixando uma leitora confusa e me fazendo reler pra tentar pegar a resolução com mais calma. Isso quando tudo podia ter sido resolvido com tranquilidade em mais de um capítulo, ao desenrolar da trama.

Faltou romance. Faltou explorar a fantasia. Faltou mostrar as aulas e as interações entre as diferentes raças. Faltou mostrar Sophie lidando com seus poderes. Faltou traquejo da autora, pareceu que ela estava sendo pressionada a terminar logo o livro, daí simplesmente DO NADA resolveu que era hora de acabar e despejou o final que ela tinha planejado para o livro em poucas páginas. Me senti um pouco oprimida pelo final referido. Havia tanto a explorar e o livro ficou simplesmente sem graça. Quanto ao livro "Hex Hall", simplesmente... Faltou.


Muito provavelmente não continuarei a série. Não concordei com a decisão da protagonista no final, nem com a autora em salvar tantos personagens e deixar logo uma das minhas preferidas, com um tremendo potencial para a trama no futuro, morrer. Portanto, não lerei o seguinte, mesmo tendo ficado uma deixa bem em aberto para os próximos próximos livros.

Eu já li muito do mesmo, sim, admito. Mas em se tratando de "muito do mesmo" que eu gosto de ler, e tendo sido bem elaborado e bem escrito eu me deleito e indico. Infelizmente com esse livro não foi assim. O Hex Hall não me enfeitiçou ;-) 


Recomendaria??
Se você gostou de "Academia de Vampiros" (achei bem parecido em muitas partes) e não tem absolutamente nada melhor pra ler; ou se você gosta de ler tudo que tem bruxas, dê uma chance pra esse livro. A escrita apesar de mal elaborada é "gostosa", as páginas fluem pro fim, tranquilamente, sem problemas. Só os problemas de trama, é claro =S

Releria??
Não, sinto muito. Talvez, quem sabe, um dia, mude de ideia quanto a continuar a série, mas quanto a reler esse, não, não releria.

terça-feira, 14 de outubro de 2014

[Curiosidades 03] Professores na literatura

A sessão de curiosidades dessa vez traz o assunto "Professores". Dia 19 de agosto comecei a trabalhar como professora de Ciências/Biologia em uma escola estadual e também agora em outubro (15) é dia do professor (aceito livros de presente #ficadica). A ideia desta publicação também surgiu devido a presença de um mocinho professor em "Métrica", que eu li recentemente e já resenhei (confira AQUI).



Bolei uma listinha para a gente analisar melhor alguns deles!

1) Nome e Livro: Will Cooper (Série de livros: Métrica/Pausa/Esta garota, Colleen Hoover)
Disciplina: Literatura (poesia).

Will é o garoto do casal protagonista de Métrica. Ser professor, para ele, foi meio que uma necessidade, após a morte de seus pais, tendo um irmão menor para criar. Apesar disso, ele parece ser um professor descolado, que propõe atividades diferentes aos alunos, como escrever poesias e ir até uma competição de slam.
Will deve ser aquele tipo de professor bem gatinho e aposto que eu teria a maior queda por ele se fosse sua aluna. Se bem que... Os leitores de "Métrica" bem sabem que Will não namora alunas, certo?


2) Nome e Livro: Rita Desjardin (Carrie, A estranha, Stephen King)
Disciplina: Educação Física (ginástica e natação).




A Srta. Desjardin é uma das únicas pessoas da escola de Carrie, que a ajuda quando ela é humilhada pelas colegas, no vestiário, quando acontece a sua primeira menstruação. Carrie é tão ingênua que não sabe o que está acontecendo com ela e depois de sofrer uma chuva de absorventes por parte de suas colegas, quem começa a explicar e até incentiva a garota a se tornar uma menina "normal". "Aham, senta lá Cláudia", como se isso fosse possível. Apesar de toda sua raiva e explosão telecinética, Carrie poupa professora, apenas jogando-a para longe quando "all hell breaks loose" e sua vingança começa a atingir todos da sua escola.

3) Nome e Livro: Sr. Banner (Crepúsculo, Stephenie Meyer)
Disciplina: Biologia (Citologia <3)

Eu tinha que colocar algum professor de Biologia aqui, além de mim mesma <3. Tanto no livro quando no filme o professor Banner de Biologia aparece e bastante até! É na aula de Biologia que Bella e Edward se conhecem da primeira vez, e fazem um trabalho de análise de células em diferentes fases da mitose no microscópio. No filme também, eles fazem um passeio e o professor Banner aparece de novo, e fala "Green is what? Good!", uma das minhas falas preferidas do filme, apesar de boba, rsrsrs Preciso dizer porque o professor de Biologia foi importante nessa história? =D Ele se fez de salame, ignorando os papos paralelos à sua aula e isso permitiu que o casal se enamorasse... Poxa, Stephenie Meyer! Precisava fazer o professor de Biologia tão bobalhão? Acho que eu saberia se tivesse um aluno vampiro! Hahahaha

4) Disciplina:  Defesa contra a arte das trevas
Nome e Livro: Quirrel (Harry Potter e a Pedra Filosofal)
                        Gilderoy Lockhart (HP e a Câmara Secreta)
                        Remus Lupin (HP e o Prisioneiro de Azkaban)
                        Alastor "Olho-Tonto" Moody (HP e o Cálice de Fogo)
                        Dolores Umbridge (HP e a Ordem da Fênix)
                        Severo Snape (HP e o Enigma do Príncipe)
                        Amico Carrow (HP e as Relíquias da Morte)

Eu não podia deixar os professores de Hogwarts de fora né? Você achava que era só em escola pública que professores pipocavam nas disciplinas? Pelo menos em Hogwarts eles duravam um ano ao menos. Bem, um ano porque depois coisas bem estressantes aconteciam com eles. Tipo morrer, ficar louco, ter seu pior segredo descoberto e outras coisas... O Quirrel foi manipulado e manipulador tanto dos outros professores como de alunos, para seus objetivos ocultos. Já Lockhart tinha um ego enorme e queria se mostrar para todo mundo, apensar disso era o queridinho das alunas meninas. O misterioso, Lupin também passou por essa mal-fadada disciplina.
E então temos Umbridge, Snape e Carrow, os "maus". Os rígidos e que aplicavam castigos horríveis, mas entre eles, um tinha um objetivo maior para o bem, Nem sempre os castigos são para o mal. A maioria dos professores quer ajudar seus alunos, mesmo quando eles não se ajudam a si mesmos ou ao professor.



5) Nome e Livro: Bryan "Dragon" Lankford (O Juramento de Dragon e Série House of Night, de P.C. Cast & Kristin Cast)
Disciplina: Professor de Esgrima, "Mestre das Espadas"

Pra não dizer que eu deixei de falar de House of Night, eis aqui o Prof. Lankford. Mentor de Damien e outros alunos da escola, o professor e sua esposa dão aula na sede de Tulsa da HON. O Professor Dragon é baixo, loiro mas bastante masculino, segundo Zoey. Ele não aparece muito, mas é tido como referência por seus alunos, Parece ser aquele professor que fica na dele, aparecendo somente quando necessário. Ele ensina esgrima e é de certo modo o protetor da escola.

Ele tem um livro próprio, uma novela "O Juramento de Dragon" que conta como era sua vida antes de ser marcado e os acontecimentos prévios à história da série, quando ele conhece Anastasia, sua amada, explicando o porquê do apelido "Dragon".

(CONTÉM SPOILERS para quem não leu toda série ainda) Após a morte da sua companheira Anastasia, por uma criatura do mal, Dragon fica tão abalado que chega a flertar com o Mal e fica perto de se aliar a Neferet. Ele se redime e quando morre também sua amada vem buscá-lo para o Mundo do Além, numa cena muito emocionante.


*.*.*.*

Enfim, professores da ficção podem ser tão importantes quanto os principais ou podem ficar "na moita". Normalmente são como um porto-seguro para os personagens principais, isso quando não são o próprio mal disfarçado de Quirrel ou Neferet. Em sua maioria, os professores da ficção vêm com alguma lição a ser aprendida pelos personagens, assim como os da vida real, certo?

Não estamos lá somente para passar "conteúdo" e fazer provas. Gosto quando percebo que algum aluno melhorou sua postura e sua atitude por que eu ajudei. Acho que isso é o mais notável, não é? De modo escondido (Snape), de modo paternal (Dejardin), de modo "ilegal" (Will), de modo atrapalhado (Sr.Banner), a maioria dos professores, sejam eles da ficção ou da vida real amam seus alunos.


Feliz dia dos Professores!!!


domingo, 28 de setembro de 2014

[Curiosidades 02] Todo mundo copia... Shakespeare!


Não é de hoje que "nada se cria tudo se copia" e também não é de hoje que "ei ei ei, Shakespeare é nosso rei", Mais uma vez uma de suas obras é adaptada para as telas. Dessa vez é uma das obras mais reutilizadas: "A Megera Domada". Nessa peça, há duas irmãs, Catarina e Bianca. Bianca, a irmã mais nova quer namorar e sua irmã, a tal "megera" não quer nem saber de ter um homem lhe mandando o que fazer. Uma regra do pai das duas proíbe que Bianca se case antes de sua irmã, então Bianca e seu pretendente arrumam para que ela o "bruto" rapaz  Petruquio que precisa de dinheiro namore Catarina em troca de pagamento.

Uma das principais adaptações do nosso tempo é "10 coisas que odeio em você" que se mantém até bem fiel a trama do livro. Heath Ledger (R.I.P, 1979 - 2008) foi Patrick/Petruquio, e lançado nesse filme e também outros atores que ficaram conhecidos anos depois, como Julia Stiles (que fez Kat/Catarina) e Joseph Gordon-Levitt. Bianca foi interpretada por Larisa Oleynik.


No Brasil, uma novela foi feita baseada nesta trama universal, "O Cravo e a Rosa", sendo Adriana Esteves a Catarina, Eduardo Moscovich o Petruquio e Leandra Leal era Bianca. A novela foi um sucesso e foi reprisada ano passado na Globo para levantar a audiência. Acho que deve ter conseguido, por que até EU que nunca olho, dei uma espiada nuns capítulos. 




Hoje em dia, outra novela da Globo está se aproveitando deste Clássico da Literatura e devo dizer que apesar de a trama já ser "manjada" esta temporada da Malhação está se saindo muito bem com sua adaptação. Dessa vez temos Carina/Catarina (cabelo curto), Pedro/Petruquio (de vermelho, parecendo o Salsicha) e Bianca (loira de preto). Bianca dessa vez é a mais velha, que quer que Pedro namore sua irmã considerada pouco feminina e muito bruta em troca de dinheiro para que a banda dele grave uma "demo". Sim, o de verde é gatérrimo, mas sim, o Salsicha que é o mocinho. Ele é bem gatinho e não é tão esmilingüido corporalmente como o desenho animado, mas lembra um pouco, né? =D


Brincadeiras à parte, eu tô adorando a novelinha das 17h, como há tempos não gostava. Ela está com uma vibe de "Fama" (aquele filme da escola de dança-música-atores de 1980, que teve uma refilmagem recente) e  tá valendo uns minutinhos de TV por dia. E, cá entre nós, essa história (e a grande maioria das tramas de Shakespeare) é universal e sempre atual. 


terça-feira, 23 de setembro de 2014

[Resenha 07] Alguém como você - Leanne Banks

** Romance de banca dos anos 90, que se passa nos anos 90, mas parece dos anos 30 **


Série Primeiros Sucessos
Os Pendletons #01

256 páginas. Editora Harlequin Brasil


Sinopse: "Carly Pendleton não precisa de mais um homem superprotetor em sua vida… Ela já tem 7 irmãos. Por isso, quando começa a ser cortejada por seu amigo Russ Bradford, prefere resistir. Ele pode ter todas as qualidades da perfeita fantasia feminina, mas sempre fora o anjo da guarda dela. Ainda que Russ insista para que Carly se livre logo de sua inocência, ela não tem o menor motivo para abrir mão de uma independência duramente conquistada… Muito menos se arriscar a ter o coração partido."

Amo o Skoob, mas nessas horas, só o Goodreads salva:

Série Os Pendletons
1. Alguém como você (The fairest of them all) - Carly
2. Dance with the Devil - Garth
3. Uma chance para amar (More than a Mistress) - Daniel
4. Brincando com Fogo (Playing with Dynamite) - Brick
5. For the love of Sin - Troy


Apesar de ter terminado a leitura (caso eu não tivesse gostado muito, teria abandonado-a), não gostei deste livro. 
A sinopse me atraiu, principalmente em eras de "Os Sullivans" da como-assim-você-ainda-não-leu Bella Andre, pois me lembrou a série que eu amo dos 8 irmãos Sullivans, mas é incomparável. A série da Bella André é muito muito melhor.

A primeira cena é de Carly, em um baile, quando adolescente, cheia de mimimi sobre um garoto e Russ (mais alguém lembrou de Friends aí?) consolando-a. Ele passa algo de irmão mais velho também, mas já dá para perceber que seu interesse nela é mais do que fraternal. Nas páginas seguintes, anos depois encontramos Carlene (sim, este é o nome real dela) a frente de uma empresa que faz cruzeiros festivos e promocionais em seu barco. Russ é famoso por seu negócio de criação de peixes e é um homem beeeem interessaaaante. Alto, forte e com cabelos acobreados (mais alguém lembrando de Christian Grey e Edward Cullen aí? Bom, o livro é de 1996, então pré-vampiros brilhosos e pré-50 tons de amarração). Ah! Falando nisso, a foto da capa do livro não tem nada a ver com o casal principal, já que Carly é descrita com cabelos curtos e escuros (bobagem, mas menos um ponto pro livro).

Russ começa a trama tendo enfiado na cabeça que vai se casar com Carly e que ela é perfeita para ele. Ele passa então a jogar com ela, para fazê-la cair na dele. Carly, a mocinha de 23 anos é virgem e toda cidade parece saber disso. Seus irmãos, principalmente, e querem mantê-la pura e protegida sempre. Isso até concordarem com Russ que ela precisa de alguém que cuide dela possessivamente pós-irmãos. 

Entendem agora porque apesar de se passar nos anos 90, parece ser dos anos 30? Há muitas mulheres às quais este tipo de história atrai, mas para mim não colou e pareceu forçado.

Apesar da virgindade da moçoila, há (antes do casamento, óóó!) cenas de sexo. Já era esperado nesse tipo de livro (romance de banca como eu chamo), mas não achei que elas estavam boas: ou foram mal descritas ou mal traduzidas.

Recomendo??
Sim, para leitoras que tem aquela pontinha machista não tão pequena ainda dentro de si e que não se incomodariam com as coisas que disse que me incomodaram.

Releria??
Não. 
Porém, pesquisando para publicar a resenha descobri que é uma série e fiquei interessada em ler os livros que estão publicados no português, principalmente o do Daniel, que é o irmão que mais aparece na trama. Carly tenta juntá-lo com sua secretária em seu livro,  mas a história ficou em aberto, então seria como uma continuação deste, e eu já iria para ele sem tantas expectativas.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

[Resenha 06] As Violetas de Março - Sarah Jio

"Annabelle estava trabalhando em seu doutorado em antropologia social. Em seus dois anos de pesquisa, analisou dados de casamento e de divórcios de uma forma não convencional. De acordo com seus resultados, a taxa de sucessos de um casamento podia ser prevista com precisão pelo nome do homem" 

(As violetas de março, Sarah Jio, Pág. 14)




Sinopse: 
"Emily Wilson tinha tudo para ser um exemplo de mulher bem-sucedida. Escritora consagrada e com um casamento estável, sua vida parece imune aos problemas que afetam todo mundo. Até que seu marido escolhe outra mulher com quem dividir a vida.
Apesar do coração partido - e de se sentir rejeitada e abandonada - Emily não se deixa abater completamente: arruma as malas e parte em direção a uma nova história que o destino vai se encarregar de finalizar.
As violetas de março é uma história sobre o amor e a falta dele. É sobre almas gêmeas e sobre a força do destino. É um romance capaz de nos fazer desabrochar para a esperança, ainda que isso pareça impossível. Assim como as violetas em março."


Opinião:
Começo dizendo que essa sinopse é bem fraca. Não conta muito sobre nada. A pessoa teria que se fiar na capa (bem "mais ou menos"), no nome da autora (desconhecida no BR) ou nas indicações na contracapa (da autora de "Procura-se um amor que goste de cachorros" que só conheço de filme e uma outra aí) para se interessar por ele. Vale dizer que não fui eu que me interessei por ele. Emprestaram-me de surpresa (Círculo Viajante Misterioso), caso contrário não teria me chamado atenção.

Gostei de ter lido esse livro.
Preciso dizer que me lembra muito muito muito o tipo de história de Nicholas Sparks e eu juro que é verdade que fui ver se a autora existia ou se era um pseudônimo dele.  

A sinopse é ruim. Emily começa divorciada, assinando papéis. Ela vai pra uma cidadezinha, ilha, onde passava as férias de verão quando criança e fica hospedada na casa da sua tia avó Bee. Logo nos primeiros momentos dela na ilha, Emily encontra um antigo diário que poderia também ser um livro, de tão bem escrito. A autora de "As Violetas de Março" nos "presenteia" com o que está escrito no diário também, então temos duas histórias paralelas: Emily tentando se encontrar pós-divórcio e Esther, a dona do diário contando o que se passou na sua vida lá pelos anos 1940.

Esther era apaixonada por Elliot, mas rompeu com ele o noivado e ele foi para guerra e ela casou-se com outro. Depois de alguns anos, vivendo num casamento completamente infeliz e com uma bebê pequena, Elliot retorna da guerra e para a vida de Esther, fazendo uma reviravolta no mundo de Esther, com consequências trágicas.

Ambas as narrativas são legais e assim como Emily, me peguei tentando adivinhar quem diabos era Esther. Se era apenas uma personagem, se era alguém conhecido dela escrevendo com outro nome sua história.

Nos "tempos atuais" Emily se envolve com Greg, um ex-paquera de sua época de adolescente e um misterioso Jack. É só Emily comentar para Bee que conheceu Jack e seu avô que esta se fecha completamente e parece aversa a tudo que venha deles.

Também temos Evelyn, uma senhora simpática e melhor amiga de Bee, que vai clarificando um pouco as dúvidas de Emily (e as nossas) sobre o misterioso diário, sobre o paradeiro de Esther/Elliot e sobre a aversão de Bee à família de Jack.

É um bom livro sobre segredos de família e descoberta de si mesmo, que prega aquela máxima "devemos saber de onde viemos para saber para onde vamos". Há um pouco de sentido nisso, não é? 

 =D

Sobre a citação: Annabelle é a melhor amiga de Emily e aparece pouco, mas adorei esta peculiaridade dela, simplesmente por dois motivos. Um: mostra bem que tipo de pessoa que ela é. Dois: eu costumo acreditar em quase a mesma coisa! Chamo de "Karma de Nome" e apesar de achar errado, acabo sempre pensando que devido às minhas experiências prévias, Lauras são nojentas, Carolinas estragam minha vida, Diegos são gostosos, e Daniels então "don't even get me started" ;)

Recomendo??
Sim, principalmente para quem gosta de Nicholas Sparks, mas também para outros fãs de suspense e romance. Devo dizer que nunca tinha lido um romance com tanta cara de suspense e um suspense com tanta cara de romance. Recomendarei sim ele para muita gente.

Releria?
Acho que não. Assim como todo livro de suspense, ao saber o fim, não tenho mais tanto interesse em reler, mas poderia reler ele. Foi uma boa leitura, me prendeu.

sábado, 13 de setembro de 2014

Imagens de ex-Harry Potter em "Horns" no filme baseado em livro homônimo de Joe Hill


Está achando o demônio da foto pouco assustador e até um pouco familiar? Pois ele é Daniel Radcliffe, o ex-bruxinho da saga Harry Potter no cinema, atuando no filme "Horns" (chifres. Mesmo título do livro em inglês que em português ficou sendo "O Pacto), baseado no livro de Joe Hill, publicado pela Editora Sextante. Assista ao trailer (sem legendas ainda) clicando aqui. Por sinal, estão falando muito bem da atuação de Daniel no filme, e estou bem interessada em ver.





O autor, Joe Hill, nascido Joseph Hillstrom King, filho do hiper famoso escritor de livros perfeitos de terror e drama Stephen King, também é escritor. Em 2007, lançou um livro de terror, intitulado no Brasil de "A Estrada da Noite". É também de sua autoria a coletânea de contos "Fantasmas do Século XX", publicada no Brasil em 2009.

A história segundo o trailer me lembrou uma do King, no livro "A Maldição do cigano", em que  um advogado começa a se transformar após receber uma maldição de uma velha cigana. Seria o filho copiando ou apenas seguindo os passos do pai? Espero que seja a segunda opção, mas seja qual for, para mim não faz mal. Não há escritor que chegue perto de fazer livros tão bons e parecidos em estilo com os de Stephen King. Se Joe Hill chegar perto de ter histórias tão geniais estou feliz.

Leia a seguir a sinopse de "O Pacto":
'Ignatius Perrish sempre foi um homem bom. Tinha uma família unida e privilegiada, um irmão que era seu grande companheiro, um amigo inseparável e, muito cedo, conheceu Merrin, o amor de sua vida. Até que uma tragédia põe fim a toda essa felicidade: Merrin é estuprada e morta e ele passa a ser o principal suspeito. Embora não haja evidências que o incriminem, também não há nada que prove sua inocência. Todos na cidade acreditam que ele é um monstro. Um ano depois, Ig acorda de uma bebedeira com uma dor de cabeça infernal e chifres crescendo em suas têmporas. Descobre também algo assustador: ao vê-lo, as pessoas não reagem com espanto e horror, como seria de esperar. Em vez disso, entram numa espécie de transe e revelam seus pecados mais inconfessáveis. Um médico, o padre, seus pais e até sua querida avó, ninguém está imune a Ig. E todos estão contra ele. Porém, a mais dolorosa das confissões é a de seu irmão, que sempre soube quem era o assassino de Merrin, mas não podia contar a verdade. Até agora. Sozinho, sem ter aonde ir ou a quem recorrer, Ig vai descobrir que, quando as pessoas que você ama lhe viram as costas e sua vida se torna um inferno, ser o diabo não é tão mau assim. "


Já estou com o livro em mãos, aguardem a resenha dele por aqui =D enquanto aguardo ansiosamente o filme!

Ah! Pros cinéfilos e bibliófilos de plantão: 
Falar no livro da "A maldição do cigano" me lembrou: um dos melhores filmes de terror que vi ultimamente (adoro-os!) "Arraste-me para o inferno", que eu total recomendo para os fãs do gênero; e também "A metamorfose" de Franz Kafka, só que de um jeito menos pedante e mais misterioso... 

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

[Resenha 05] Métrica - Colleen Hoover (Slammed #01)

"Toda mulher deve ser capaz de responder três perguntas antes de se comprometer com um homem. Se disser "não" a qualquer uma das três saia correndo. (...) Se não for capaz de responder "sim" às três perguntas, nem perca seu tempo com um namoro. (...) Ele a trata com respeito o tempo inteiro? Essa é a primeira pergunta. A segunda é: se, daqui a vinte anos, ele fosse exatamente a mesma pessoa que é hoje, você ainda assim se casaria com ele? E, finalmente, ele faz com que você queira ser uma pessoa melhor? Se conseguir responder "sim" às três perguntas em relação a uma pessoa, então você encontrou um homem decente."
("Métrica", Colleen Hoover)





Métrica, Colleen Hoover, 299 páginas
Livro 1 de 3, da Série Slammed
Editora Record, Selo Galera Record.

Sinopse: "O romance de estreia de Colleen Hoover, autora que viria a figurar na lista de best sellers do New York Times, apresenta uma família devastada por uma morte repentina. Após a perda inesperada do pai, Layken, de 18 anos, é obrigada a ser o suporte tanto da mãe quanto do irmão mais novo. Por fora, ela parece resiliente e tenaz; por dentro, entretanto, está perdendo as esperanças. Um rapaz transforma tudo isso: o vizinho de 21 anos, que se identifica com a realidade de Layken e parece entendê-la como ninguém. A atração entre os dois é inevitável, mas talvez o destino não esteja pronto para aceitar esse amor."

Livro 1: Métrica (Slammed) 
Livro 2: Pausa (Point of Retreat)
Livro 3: Esta Garota (This Girl) - Lançado em inglês. Lançamento em português aguardado para 2014.

Opinião:
Em geral, gostei do livro. Foi um bom divertimento e até estou lendo o próximo. Não vejo, porém uma necessidade para a continuação, mesmo que esteja gostando dela, porque ao final do livro 1, tudo fica "resolvido". Por sinal, não gostei do final de "Métrica", pois simplesmente pula um ano na vida dos personagens, em que muito da trama poderia ser desenvolvido. Enquanto em "Métrica" quem narra é Layken, em "Pausa" o narrador é o Will, que preenche um pouco do "gap" que ficou de um ano no fim do primeiro livro.

Layken é uma garota de 18 anos que é "forçada" a se mudar com sua mãe Julia e seu irmão Kel para outra cidade, perto de Detroit. Lá, na casa nova, ela conhece o vizinho bem bonitinho da casa da frente, Will e o irmão menor dele, Caulder.  A atração entre Will e Lakyen é mútua e quase instantânea. Logo eles começam a sair e, é claro, que também rapidamente aparece um empecilho, porque senão não haveria livro =S

Como na sinopse não se fala sobre o tal empecilho, não vou dar spoiler disso. Eu não esperava que fosse isso e fiquei surpresa ao descobrir o que era, então vou deixá-los curiosos como eu. Dá pra dizer que muito aproxima Will e Layken, inclusive batalhas de slam, que é um troço tipo poesia + rap só que sem música.

Aviso aos navegantes, tem muita tragédia nessa história. Os pais de Will e Caulder, e também o pai de Layken estão mortos. Ah, e tem uma nova amiga da Layken também que é órfã e mora com tipo o "vigésimo" pai/família adotiva. Então, além de um romance de formação e um romance de amor, eu diria que também é um romance sobre família.

Minha intuição de escritora me fez cantar a jogada sobre um acontecimento do final, já que nada quando estamos escrevendo algo é colocado na história de modo impensado. Todo detalhe está lá por algum motivo e na maioria das vezes farão diferença na trama. 

Recomendo???
Sim para quem gosta de poesia e sim para quem está interessada em ler um livro fácil.

Recomendação extra. Se você tem propensão a chorar em livros com cenas/fatos tristes, leia com lencinhos de papel por perto, principalmente a partir do meio do livro. Mas leia, é um livro bacana.

Releria???
Acho que não. Gostei da leitura, mas não marcou minha existência ;)

domingo, 7 de setembro de 2014

Novo livro da autora da série "Hush Hush", Becca Fitzpatrick: Black ICe



"Britt Pfeiffer has never been that adventurous, but that's about to change. Wanting to impress her ex-boyfriend, Britt convinces best friend, Korbie, to take a trekking trip with her. But when a freak storm leaves the girls stranded they seek shelter in a cabin, where they find two knights in shining armour. Or so they think.

Britt quickly realises that the girls need to get off the mountain, fast. In exchange for her life, she is forced to guide the boys down, and as they set out on a harrowing journey through the cold and snow, Britt realises the only way to escape with her life is to pretend she is on their side. But is gorgeous, sexy Mason an enemy or an ally? Tension mounts, and it's only a matter of time before things turn deadly . . ."  
 
(Sinopse como está no book-trailer e na página da Amazon)


e/ou

"Britt Pfeiffer, de dezessete anos, está treinando para andar pelas montanhas de Teton, mas ela não está preparada quando seu ex-namorado, que continua assombrando cada pensamento seu, quer juntar-se a ela. Antes que Britt possa explorar seus sentimentos por Calvin, uma inesperada nevasca a obriga a procurar refúgio em uma cabana, aceitando a hospitalidade de seus ocupantes — que a pegam como refém. Em troca de sua vida, Britt se compromete a guiá-los pela montanha. Quando começam a caminhar através da tormenta, Britt sabe que deve permanecer com vida tempo suficiente para Calvin encontrá-la. Mas a tarefa não é tão simples quanto parece. Peça por peça, Britt descobre a verdade sobre uma série de assassinatos praticados na região… e ao descobrir isso, ela pode se converter no próximo alvo do assassino." (Tradução da sinopse como está no site Goodreads).


"Black Ice" é o novo livro de Becca Fitzpatrick, também autora da série Hush Hush, composta por "Sussurro", "Crescendo", "Silêncio" e "Finale" a ser lançado nos EUA em 7 de outubro. Clique aqui para ver o Book Trailer. Aparentemente Black Ice fará parte de uma nova série, que vi sendo referida como "Série Ice", mas saberemos mais em breve. 



Não gostei da série Hush Hush. Li o primeiro volume "Sussurro" em dois ou três dias. Achei legal, estava curiosa, mas tive muito problema com o casal de protagonistas: Nora e Patch. Achei a Nora muito muito besta, tapada mesmo e uma das mocinhas mais "mimimi" que já vi na face da literatura da minha estante. Patch (não estou dando spoiler, pois a informação tá na droga da capa, que foi o motivo pelo qual comprei o livro: a capa é linda) é um anjo caído, e do que eu me lembro da descrição dele, não tinha sensações físicas nenhuma, troço que eu achei super irritante: como assim o cara fica de pegação com a guria mas não consegue sentir seu toque e seu beijo e tals? Enfim, achei brochante. Esses foram os meus principais problemas com o livro um, mas como tinha gostado resolvi dar uma chance pro dois. Tremenda decepção.

"Crescendo" é o título do segundo volume. Este "crescendo", por falar nisso, não é de crescer, até porque o título em inglês é também Crescendo e não "Growing up" ou algo do tipo. Ele tem a significação do "Crescendo" na música do Michael Jackson, Smooth Criminal, relacionada a som, a intensificação progressiva, aumento progressivo da intensidade, principalmente sonora, o que faz totalmente sentido se comparado com silêncio e sussurro. OK, nesse livro achei que a história ficou muito confusa. Não consegui acompanhar, pode ter sido incompetência momentânea minha, mas larguei o livro por muito tempo na estante e só depois de um ano e pouco que resolvi tentar acabar ele. Consegui terminar e caí na besteira de comprar o terceiro volume, mas este está há mais de dois anos na minha estante e até já desisti de ler,

Não vou sair correndo para comprar este Black Ice, mas para os fãs da autora e de seus livros prévios é uma ótima notícia, não? Achei a sinopse confusa, mas há uma possibilidade de eu dar uma chance a essa história nova.

sábado, 6 de setembro de 2014

[Resenha 04 - BR] Até eu te encontrar - Graciela Mayrink

** Resenha de Livro Nacional 01 **

(eu havia publicado esta resenha no meu blog pessoal não-literário Fêmea Sapiens, mas agora que tenho um blog somente para literatura, a trouxe para cá ;-D)



Livro único (não-série). Editora Novo Conceito. 384 páginas.

Sinopse: 

"O quanto uma mudança de cidade pode afetar uma vida? Você acredita em alma gêmea? Como você se sentiria se não gostasse do grande amor da sua vida? É o que Flávia vai descobrir ao deixar Lavras, onde mora com os tios desde o acidente que matou seus pais, quando era criança. Aos dezoito anos, ela decide estudar Agronomia na Universidade Federal de Viçosa, trocando o sul de Minas pela Zona da Mata do mesmo Estado na esperança de uma "mudança de ares". Em sua nova vida, ela conhece Sônia, amiga de infância de sua mãe e agora sua vizinha, que lhe conta a história de sua família materna, até então desconhecida para Flávia. Embora o passado não seja sua maior preocupação, Flávia reluta em aceitar seu destino e ainda precisa superar uma paixão não correspondida pelo seu melhor amigo. Para se ver livre dessa rejeição, ela tenta atrair sua alma gêmea para Viçosa e descobre que o grande amor de sua vida é uma pessoa que ela não suporta."

Opinião:  
Gostei desse livro desde o inicio. A leitura fluiu legal. Li quase todo numa noite, fiquei até as 01h33 da madruga lendo, coisa que praticamente nunca faço. Eu acho que isso tem tudo a ver com o fato de ele ter sido escrito em português e não traduzido para ele. É muito estranho, mas começo a perceber a diferença que é, e apesar de estranhar um pouco isso ainda, eu estou gostando muito de ler mais literatura brasileiras atual.
A capa é fofinha, mas a sinopse é meio bastante "nadavê" com o que a história é exatamente. Por causa dela que não comprei o livro antes. Sério mesmo. Essa história de "não gostar da alma gêmea" só é problema por umas 2 páginas e fica parecendo O Problema central. Isso sem falar que o acidente dos pais mal aparece! E a tal paixão pelo melhor amigo... Aff! Falando como uma pessoa que REALMENTE sofreu com isso, a protagonista nem teve grandes problemas.  Toda sinopse e descrição na capa faz a gente ficar esperando bruuuuuuxaaaas na história e um carinha apaixonante e alma-gêmea desde o inicio e o moço só aparece mais pro final.  Senti um pouco de falta de descrições mais elaboradas dos personagens e dos cenários, mas nada que impedisse de gostar da minha leitura. Esses foram problemas apenas criados pela sinopse mal-feita. Portanto faço uma nova sinopse aqui.

"Ao começar a faculdade longe da família que a criou, a vida de Flávia muda completamente! Felipe logo aparece em seu caminho e a faz sentir especial, e seus novos amigos não deixam com que sua rotina fique monótona. Até mesmo sua vizinha de porta, dona de uma loja de produtos esotéricos e de um amigável cachorrinho a recebem bem e, a partir de então, Flávia começa a descobrir que o passado de seus pais reserva um mistério que afetará seu futuro!
Entre encontros e desencontros românticos, ela perceberá como o amor pode ser algo... Mágico. E como sua alma gêmea pode estar longe de ser quem ela esperava..."

Gostei imediatamente do Felipe, pois ele me lembrou um rapaz conhecido ;-)  Gostei da Flávia também, a protagonista, que é bem desencanada e divertida. Todos os personagens me cativaram, até os "maus". Uma coisa que percebi é que a autora não se prende somente aos protagonistas, ela conta e comenta a história de todos os secundários, coisa que eu gosto muito de fazer em minhas histórias quando escrevo.
A história me trouxe várias lembranças de casos, pessoas e lugares que conheci na época da faculdade. Apesar de não ter saído de casa para estudar como a protagonista, várias sensações dela foram parecidas com as que tive. Lembrei do meu trote, dos gatinhos, dos colegas, das aulas, das festas, das amigas novas. Tudo isso, coisas que a protagonista passa "Até encontrar" o amor, a família, a personalidade dela.
Achei "Até eu te encontrar" apaixonante e já saí recomendando pra várias amigas. Vale a pena.

Recomendo: 
Se você gosta de Chick Lit; Se você está em busca de algo leve e romântico sem ser meloso; Se você gosta de historias com toques de magia; Se você quer ler novos autores brasileiros, como eu; Se você tem boas lembranças da época da faculdade ou quer conhecer um pouco a vida de uma universitária.

Leria outra vez? 
Sim!